"

Moda na música sertaneja ‘aposenta’ xadrez e adota looks produzidos e cheios de personalidade

As mudanças no gênero sertanejo não se restringiram à música. Ao longo dos anos, o visual dos artistas foi atualizado, e assim como a moda de viola, o xadrez e a calça jeans se tornaram símbolos de uma época. Não que eles tenham deixado de integrar o estilo dos artistas, mas são vistos cada vez mais com menos frequência entre os famosos.

Isso porque a moda é comportamento, como definem a estilista Analu Nazário e a professora do curso de moda da FAAP e modelista Fernanda Binotti, e como tal está sempre em transformação. A pedido do G1, elas fizeram uma análise sobre a evolução da maneira de se vestir dos cantores.

Luan Santana usa cabelos longos, barba, camisa regata e luvas (Foto: Érico Andrade/G1)
Lucas Lucco abusa dos camisetões no estilo (Foto: Divulgação/ Bloco do Urso)

Saiu do interior e ganhou o país

Estrelas do palco Arena da Festa do Peão de Barretos 2017, ídolos como Luan Santana, Gusttavo Lima, Simone e Simaria, e Maiara e Maraísa são considerados uma vitrine do gênero sertanejo. A transformação da música, que atualmente emprega muitos elementos do pop, do funk, da música eletrônica, e mais recentemente, do raggaeton, proporcionou uma revolução também nos looks.

“Eu acho que [essa mudança] foi para acompanhar o estilo da música mesmo, que passou do estilo de raiz, que ainda existe, mas, hoje em dia, o que funciona é o universitário, então teve que acompanhar”, diz Analu.

Segundo a estilista, a música sertaneja, que antes estava restrita à ideia da vida do homem na lida no campo e ao interior, ganhou as grandes cidades e atingiu todas as classes sociais, ampliando o público. Hoje, a música fala da balada, da alegria de curtir com os amigos, da bebedeira, de amor, de jovialidade. Com isso, os novos artistas se sentiram mais à vontade para conferir sua personalidade ao visual.

“O show é um contexto de imagem, luz, estilo de música e a roupa tem que conversar. Tudo tem que estar interligado para poder ter uma coerência para o público.”

Cada artista, no entanto, interage com o público que tem. Duplas que estouraram nos anos 1990, dificilmente adotaram mudanças bruscas no visual, mas porque a música se manteve romântica e fiel às origens, e elas já conquistaram seu devido espaço.

“Se o público é jovem, o adolescente tem essa informação rápida, então, para ele, funciona [atualização]. Imagina se fosse Chitãozinho e Xororó com essa mudança toda hora? O público conservador ia dizer ‘gente, pirou!’. Eles são eles, cantando aquela música”, afirma Analu.

A preocupação com a saúde e o culto ao corpo, nem tanto com o padrão estético, também fizeram os cantores mudarem sua postura com relação ao estilo. Dentre as mulheres na cultura sertaneja, não há o padrão de mulher magra, avalia Fernanda.

“Mesmo assim elas se vestem com calça justa, ficam super felizes com o corpo que têm, decote profundo. É esse cuidado com o corpo no sentido de eu gosto de mim do jeito que eu sou e valorizo o que eu tenho de bonito. Eu acredito ainda que tem ligação com o esporte, que malha por qualidade de vida, tem mais facilidade pra mostrar o corpo.”

Gusttavo Lima (Foto: Marcel Bianchi/Divulgação)

Para Fernanda, Luan Santana é quem melhor define a transição do antigo para o novo sertanejo. O cantor é um exemplo de amadurecimento e consciência do estilo musical que trabalha. Os looks dele estão entre os mais copiados pelo público jovem, justamente por essa empatia criada com os fãs.

“Ele passou pelo processo de uma imagem de cantor sertanejo e agora está tão seguro que sabe que não precisa estar tão arrumadinho, um cabelo mais comprido, um rabinho meio de qualquer jeito, que a gente chama de cabelo de banho, e a calça mais rasgada. Não foi ele quem começou, mas a gente sabe que isso é super tendência. A coisa se mistura. A gente não sabe se a tendência vem deles, mas funciona. Como imagem funciona bastante.

Já Analu acredita que o melhor exemplo de vitrine sertaneja da moda seja Lucas Lucco, que considera muito moderno.

“Ele usa coturnão, meio de rock, ele tem essa pegada rock. Mas, também porque ele faz essa linha galanzão, machão. Ele usa camiseta alongada, que é uma característica da moda de rua, street wear. Eles confirmam a tendência. Eles pegam a tendência que já existe e confirmam. Muita gente já fala ‘comprei a camiseta do Lucas Lucco’.”

Bruninho & Davi (Foto: Divulgação/ Bruninho & Davi)

Exageradas e autênticas

O feminejo dominou as paradas musicais de 2016 para cá e vem brigando forte por sua consolidação. Junto com a música que fala de independência e poder, ascendeu o estilo da mulher livre e ousada, que faz o que quer, quando quer e como quer.

“É uma mulher que não é a coitadinha, submissa. Então, a roupa dela tem esse papel: ela é poderosa, ela usa roupa curta, mesmo não tendo o corpo no padrão de beleza considerado. Você vê que a Marília Mendonça, independente se ela não está no peso considerado ideal, ela é ela. Você tem que representar aquela música, então pode ver que acompanha a música. Você consegue ver essa evolução”, diz Analu.

Simone e Simaria abusam de roupas sensuais, Maiara e Maraísa surgem no palco cheias de brilho e bordados, com botas que vão até o joelho. Às vezes, o figurino pode parecer exagerado, desarmônico, mas, para a professora de moda, estar no palco sendo observada por milhares de fãs possibilita a oportunidade de abusar.

“As mulheres têm uma liberdade cultural maior pra usar brilho, usar estampa. Na verdade, é uma coisa que atrai toda mulher, a gente tem uma cultura de se emperiquitar. Mulher gosta de brinco, gosta de colar. A gente em casa pensa “nossa, acho que tá muito perua”, mas tem a vantagem de poder estar num palco e poder brincar um pouco. É super importante para fortalecer a imagem delas”, diz Fernanda.

Marília Mendonça apresenta todo o romantismo e a sofrência (Foto: Divulgação)

Marília Mendonça apresenta todo o romantismo e a sofrência (Foto: Divulgação)

Marília Mendonça e Maiara e Maraisa (Foto: Divulgação/Festa das Patroas)
Simone & Simaria se apresentam nos EUA (Foto: Divulgação)
 

Xadrez é do rock ou do sertanejo?

Embora um pouco abatido na cena, o xadrez segue em novas roupagens porque acabou virando uma caricatura do sertanejo. Quem nunca usou uma camisa e foi motivo de brincadeira por ter considerado o estilo caipira?

Ele ressurge na camisa amarrada na cintura, combinado com uma jaqueta de couro de pegada mais roqueira. Muitas vezes, a estampa tende a se misturar com o estilo grunge. Fernanda e Analu afirmam que não há diferença na estampa, mas ponderam que o debate está nas cores.

“O xadrez do grunge sempre tem mais vermelho, azul, preto. E o xadrez sertanejo são mais tons de marrom, misturados com azuis”, diz Fernanda.

“O xadrez sertanejo tem muito de modelagem, tem bolso característico, tem bordado. E a maneira de usar, porque o sertanejo usa todo abotoado, bem engomado. Já o estilo para o rock, usa mais largado.”







Foto e link total de:http://g1.globo.com/sp/ribeirao-preto-franca/festa-do-peao-de-barretos/2017/noticia/moda-na-musica-sertaneja-aposenta-xadrez-e-adota-looks-produzidos-e-cheios-de-personalidade.ghtml

Gostou? Deixe seu comentário!

Compartilhe seu comentário no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

© Copyright - 2014-2017 Rádio Nova99,3 Iguaçu Fm. Santiago RS. Direitos Reservado. Designer Sttill Mag Jhonson Bravo.